11 janeiro 2007

Ana Cristina Souto

Leila Kubba Kawash 1996
Lenda Oceânica

Em mim o teu coração.
E fui tolhida.
Passei por vendavais e tufões
dunas e marolas
e na derradeira
chorei. Em vão!

Quis espumar-te a lembrança
quis desenhar-te na areia
Por que?
Se eras tu que instigava
os meus desafios
e me transportavas à perdição.

Recordo a chuva a cair.
Um choro... Um lamento...
Relicário de mágoas.
Lanço lágrimas ao mar
como o sal da sua pedra;
pia batismal.

Ímpetos de ter-te;
Quando a chuva cai, leve, levemente.
Vai Chuva! Leva essa dor, harpejos e desejos!
Mas seja condescendente,
não me leve o amor embora!
Sem ele, secam-me as lágrimas.
Sem elas, sou seca de vida.

Sou ânsia de um cais.
Porto da tua embarcação
Mergulhado no sonho.
Guiar-te-ei a mim
Pelo canto da sereia...
Lenda do boto...

Mergulhemos sob a onda branca e fria.
Quem sabe? O destino e o fim;
Em nossos corpos de mares
em nossas seivas de algas
a morrer ou a viver de amor!
Sem morte que nos separe.

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home